Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on google

A pré-eclâmpsia é um distúrbio que chega a afetar 5% das gestantes, e é caracterizado pelo aumento da pressão arterial e presença de proteína na urina, chamada de proteinúria. 

Há diferentes fontes de quais são as causas, fato é que esse distúrbio acomete geralmente as mulheres no último trimestre de gestação. Alguns casos mais comuns, apresentam o aumento da pressão arterial, do peso, inchaço nas mãos e pés e a perda de proteína da urina. 

No blog de hoje, nós da G7 Assessoria iremos falar mais sobre esse assunto e auxiliaremos vocês mamães, a identificarem e estarem atentas sobre esse tema, pois a pré-eclâmpsia pode ser em muitos casos assintomática, ou seja, você pode não perceber os sintomas em casos mais raros. 

De acordo com especialistas, a gravidez pressupõe o crescimento de um ser geneticamente diferente dentro do útero da mulher, uma vez que herdou metade dos genes do pai. Não há rejeição nesse corpo estranho, porque o mesmo desenvolve mecanismos imunológicos para proteger o feto.

Porém, em alguns casos, ele libera proteínas na circulação materna que provocam uma resposta imunológica da gestante. Essa resposta agride as paredes dos vasos sanguíneos, causando vasoconstrição e aumento da pressão arterial, podendo culminar na pré-eclâmpsia.

Ainda não foram estabelecidas as causas dessas enfermidades. O que se sabe é que estão associadas à hipertensão arterial, podendo ser crônica ou específica da gravidez. Vale ainda destacar que a pré-eclâmpsia pode evoluir para a eclâmpsia, uma forma grave da doença, que pode colocar em risco a vida da mãe e do feto.

Mas, como identificar esse distúrbio? É necessário saber que o diagnóstico de eclâmpsia é estabelecido com base nos níveis elevados da pressão arterial, ou seja, na história clínica, nos sintomas da paciente e nos resultados de exames laboratoriais de sangue e de urina solicitados por um especialista médico. 

Existem também os fatores de risco, que podem ser: diabetes, obesidade, lúpus, hipertensão arterial sistêmica crônica, primeira gestação, histórico familiar ou pessoal das doenças supracitadas, gestação gemelar e ainda gravidez depois dos 35 anos e antes dos 18 anos.

Você sabe qual o tratamento adequado? A prevenção e tratamento para o controlar que pré-eclâmpsia evolua para eclâmpsia se dá pelo acompanhamento de um pré-natal criterioso e sistemático da gestação. Mas, é importante  que pacientes com pré-eclâmpsia tenham cuidados além, como: fazer repouso, medir com frequência a pressão arterial e adotar uma dieta com pouco sal.

Alguns especialistas indicam para o controle dos quadros de eclâmpsia mais graves, medicamentos anti-hipertensivos e  anticonvulsivantes, pois existe o risco de antecipação do parto. Importante saber que a doença regride espontaneamente com a retirada da placenta. 

Algumas medidas preventivas e ações são recomendadas pelos médicos para que o acompanhamento e possíveis diagnósticos desses casos ocorram, são elas:  

  • Ir ao ginecologista antes de engravidar para avaliação clínica e início da administração de medicamentos como o ácido fólico;
  • Praticar atividades físicas se possível compatíveis com a fase da gestação e suas condições orgânicas do momento;
  • Comparecer a todas as consultas previstas para o pré-natal e seguir com rigor as recomendações médicas durante o período gestacional;
  • Suspender a ingestão de álcool e cigarro nesse período. Já com relação à alimentação recomenda-se reduzir a quantidade de sal nas refeições.

Vale ainda lembrar,  que a hipertensão é uma doença insidiosa, que pode ser assintomática, ou seja, em muitos casos não se percebe nenhuma alteração no nosso organismo aparentemente. Qualquer descuido e a ausência de sintomas podem fazer com que uma forma leve de pré-eclâmpsia evolua com complicações. 

A dica é efetuar as prevenções realizando acompanhamento médico e observando possíveis alterações incomuns no dia a dia, mamães!

E aí, curtiram o conteúdo? Então compartilhem com mais mamães. ☺️Fonte: https://drauziovarella.uol.com.br/doencas-e-sintomas/eclampsia-e-pre-eclampsia/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

blank

Veronica Lozano

2021-07-16 00:29:32

Olá, sou casada moro na zona rual nunca contribui só meu marido, estou grávida de 5 mês tenho direito?
blank

Maria clenice Lourenço dos santos

2021-07-13 12:28:35

Meu filho Kauan tem 3 anos ainda não saiu totalmente das fraldas é muito difícil já tentei muito .
blank

Ellen

2021-04-28 00:35:08

Qual o valor do salário maternidade de uma jovem aprendiz?
blank

HOMENS TAMBÉM PODEM RECEBER O AUXÍLIO MATERNIDADE? – Meu Auxílio Maternidade

2021-04-08 17:20:58

[…] Em caso de adoção o pai possui direito ao salário-maternidade, se a criança tiver até 12 anos de […]
blank

HOMENS TAMBÉM PODEM RECEBER O AUXÍLIO MATERNIDADE? – Meu Auxílio Maternidade

2021-04-08 17:20:11

[…] O salário-maternidade é um auxílio assegurado à PESSOA pela previdência social, com o objetivo de assegurar até 120 dias em que a criança mais necessita de cuidados. […]

Posts relacionados

blank

Mecônio, já ouviu falar?

Você já ouviu falar sobre o mecônio, mamãe?  O mecônio  é a primeira fezes do bebê. Sua coloração é verde musgo e essa massa é

Read More »
blank

Cólicas na Gestação

Quem aí já sentiu cólicas ou algumas pontadinhas na barriga durante a gestação? Segundo com os médicos, sentir dores uterinas durante a gestação são relativamente

Read More »
blank

Língua Presa

Mamãe, você já ouviu falar sobre a língua presa e sabe quais os cuidados necessários com o seu bebê ao observar essa alteração? A alteração

Read More »